Desde sempre que o estudo sobre a liderança e a procura do homem ideal tem sido incessante ao longo da história. Filósofos, historiadores, investigadores têm dedicado muito do seu tempo à observação e à estereotipação do conceito e do estilo, mas, poucos se têm dedicado ao processo de criação do líder, como este nasce, se desenvolve e cria uma cultura.

líder aceite é o líder natural, aquele que as pessoas querem seguir e não aqueles que são impostos e em que ninguém se revê, porém mandatado para chefiar uma equipa, dando-lhes ordens, e por vezes, derrubando os mais basilares princípios da ética, da equidade e da responsabilidade social, por vezes, escondidos na organização, com uma visão estéril e deturpada na miopia do seu interesse pessoal.

Acontece ainda, ficarmos muitas vezes surpreendidos porque é que determinadas pessoas abandonam as organizações. Salvo exceções, as pessoas não abandonam as organizações, abandonam os seus líderes, abandonam a relação, pois não os reconhecem, não se reveem, não percecionam valor.

A organização tem de expor os seus líderes, dares-lhes a oportunidade, sujeitá-los à seleção natural do livre-arbítrio da ascensão baseado no mérito, provocando, acelerando e promovendo o desenvolvimento de competências e banindo influências contraditórias e energias assimétricas rumo ao objetivo que se pretende alcançar.

Processo de Formação do Líder

A formação de um líder decorre de quatro atividades principais, uma orientada ao próprio e as restantes orientadas à sua equipa.

  • Será que o verdadeiro líder poderá existir sem estar continuamente a aprender?

Um líder apenas poderá alimentar em contínuo a sua visão se o seu dia-a-dia for for rico em inspiração e em aprendizagem. A sua elevação intelectual é a base para uma relação frutuosa com a sua equipa, para que o movimento seja enérgico, positivo e a liderança aconteça na prática.

O líder aprende.

  • Será que o verdadeiro líder poderá existir se nada ensinar à sua equipa?

No mais recôndito princípio de liderança e da criação de seguidores está o ensinamento e a aprendizagem dos outros. A liderança estabelece-se através do princípio da condução, da sugestão e da criação da perspetiva.

Assim como o apurar da raça humana tem ocorrido ao longo de séculos e séculos pela transferência de conhecimento de geração em geração, na procura contínua de bem-estar e de felicidade, o crescimento e prosperidade de uma organização carece do mesmo princípio e atitude.

Iniciamos este processo desde a nossa infância quando imitamos os mais adultos e obtemos dos nossos pais a referência de liderança paternal.

O líder vive para os outros, para o seu crescimento, o seu desenvolvimento contínuo. O líder já não se pauta por vitórias individuais, estas são muito redutoras e limitadas. O líder procura a vitória coletiva pelo ensinamento e partilha contínua do seu saber e da sua experiência.

O líder ensina.

  • Será que o verdadeiro líder poderá existir se não der o exemplo à sua equipa?

Um líder só terá legitimidade perante a sua equipa se der o exemplo em tudo que estabelece e na forma como o faz, promovendo continuamente o princípio da gestão baseada no exemplo. O líder é a referência de comportamento e naturalmente está exposto mais do que todos, sendo que não exige aquilo que o próprio não cumpre, contrariando o mais básico e primário dos princípios de seguimento e imitação.

O líder dá o exemplo.

  • Será que o verdadeiro líder poderá existir se não criar relações win/win com a sua equipa?

O líder em todas as atribuições, desafios e pedidos têm sempre a perspetiva do valor para a organização, a equipa e o individuo. O líder balanceia sempre os interesses da organização com os interesses do individuo procurando sempre um equilíbrio justo e de valor para ambas as partes.

O líder não usa a equipa para atingir os seus objetivos. O líder persegue os objetivos da organização, valorizando e crescendo a sua equipa, pautando sempre o seu comportamento pela meritocracia e a justiça.

O líder criar relações win/win.

Por Leandro Pereira,
Outubro de 2012