FORGOT YOUR DETAILS?

CRIAR CONTA

Quais os custos da falta de Engagement nos colaboradores?

Está mais do que demonstrado de que ter uma equipa com colaboradores altamente envolvidos, motivados e comprometidos, resulta não só apenas numa equipa mais produtiva e numa maior satisfação de todos os stakeholders – sejam eles internos ou externos à organização -, como também num maior retorno de qualquer investimento que seja realizado nas pessoas (e sim, para aqueles que também gostam de ouvir, numa obtenção de maiores lucros para os accionistas…).

Existe uma ligação clara e directa entre uma cultura de aprendizagem e uma cultura de envolvimento. Sabemos que as organizações (principalmente as grandes) investem anualmente uns bons milhares em formação, aprendizagem e desenvolvimento dos seus colaboradores, mas será que com isso tudo estão a conseguir um verdadeiro envolvimento e comprometimento das suas pessoas, a conseguir o seu engagement? Não.

Concorde-se ou não, acredite-se ou não, esta “apatia” cria grandes impactos na satisfação dos “clientes” – uma vez mais, sejam eles internos ou externos-, e sem qualquer sombra de dúvida no retorno dos investimentos que as organizações fazem, quer nas suas pessoas quer no próprio crescimento e sustentabilidade da sua actividade (e sim, para aqueles que também gostam de ouvir, na obtenção de lucros para os accionistas…).

Não é de admirar que o envolvimento e o comprometimento dos colaboradores (o tal engagement) seja um tema cada vez mais importante, cada vez mais no top-of-mind de quem está à frente das organizações, principalmente para quem está ávido por colher os benefícios que daí resultam e em conseguir atingir os seus objetivos, e os objectivos do negócio.

As pessoas querem sentir-se ligadas ao seu trabalho, às suas lideranças, chefias e à sua organização. Se estes “vínculos” não estiverem presentes, então o único incentivo que as pessoas encontram é sair e abandonar a organização, deixando as organizações em mãos com mais uma despesa em terem de iniciar de novo um processo de recrutamento, uma nova contratação e um novo acolhimento (onboarding), uma vez mais. Ou então, ficarem com os “quit and stay”, aqueles que estão totalmente desmotivados e descomprometidos e que se deixam ficar. Mas a que custo?

O que distingue os colaboradores envolvidos e comprometidos dos restantes… tem a haver com a presença de alguns “elementos” no seu ambiente de trabalho, como p.ex. terem a oportunidade de fazer o que sabem fazer melhor todos os dias, terem alguém que saiba e conheça quais são as suas motivações e consiga estimular o seu desenvolvimento, e, acreditarem que o seu conhecimento, as suas opiniões e pontos de vista são importantes, são escutados e contam, em vez de sentirem que são apenas mais um número ou um “taxímetro” que regista lucro ou prejuízo “gravado nas costas”.

O envolvimento, o entusiasmo e o comprometimento das pessoas, colaboradores e equipas, estão fortemente ligados aos factores críticos que são essenciais para o sucesso e para os resultados de uma organização, que suportam e apoiam a inovação, e o crescimento que as organizações precisam e necessitam para se conseguirem sustentar. Principalmente nos dias de hoje, neste mundo cada vez mais VUCA (como muitos lhes chamam), nesta “4ª revolução industrial”…

De acordo com o estudo da Gallup Gallup’s State of the American Workforce 2017, o investimento das organizações neste tema do engagement, do envolvimento e comprometimento dos colaboradores tem vindo a crescer, independentemente do tamanho da organização, continuam a fazer investimentos “pesados” na formação e no desenvolvimento das suas pessoas para tentar cada vez mais envolvê-las e “ligá-las”. No entanto, apesar de todo este cenário, há algo que não está a conseguir ajudar a fazer o clique.

Cerca de 68% dos colaboradores por esse mundo fora, não estão comprometidos e envolvidos com as suas organizações ou estão completamente descomprometidos, os tais “quit and stay”. Não são considerados hostis ou perturbadores. Limitam-se apenas a aparecer diariamente no seu local de trabalho e a “matar” o tempo, são menos atentos e menos esforçados, cumprindo com o mínimo necessário para fazerem o que têm a fazer, o seu trabalho. Pensam no almoço ou no momento da próxima pausa, e são mais propensos a mudarem quando surgem novas oportunidades.

Queiramos ou não, é uma dor cada vez mais generalizada que revela que existe um grande distanciamento das pessoas face às suas organizações. Mas porque é que com todo o investimento substancial em formação e desenvolvimento, ainda continuamos a lutar e a batalhar para tentar aumentar o engagement das pessoas, o seu comprometimento e o seu envolvimento, numa tentativa de provar o valor do desenvolvimento e da aprendizagem?

Quantos milhares se continuam a perder a cada ano em produtividade e rotatividade de pessoas por não estarmos a conseguir fazer esse clique? E o quanto é que isso está a custar? Estamos ao menos a conseguir estimá-lo?

Grande parte deste desafio está na mudança, não só na forma como actualmente trabalhamos mas também na geração actual da força de trabalho que vive na maioria das nossas organizações, os millennials (nascidos entre 1980 e 2000).

Acredite-se ou não, têm características bem diferentes em relação à geração anterior e à seguinte. São uma geração ambiciosa, com uma lealdade-curta em relação às organizações por causa de uma sede por oportunidades de desenvolvimento e crescimento.

São incrivelmente hábeis com as tecnologias (tech-savvy), estão hiperligados, sempre activos, “sociáveis” e móveis. Trazem para as organizações exigências únicas de aprendizagem, e esperam que estas se adaptem e adaptem as suas estratégias de formação e desenvolvimento de forma a responderem às suas necessidades e ambições.

Se as organizações ainda continuam a achar que são elas que escolhem as pessoas, enganem-se. Se as organizações continuam a acreditar que o que as pessoas querem é o que elas lhes vendem, enganem-se uma vez mais. Principalmente se continuarem a pensar que elas são “números” que têm de fazer números.

Esta geração liberta-se facilmente, saem voluntariamente das antigas organizações e dos seus trabalhos por inúmeras razões: por causa de chefias ou lideranças, por oportunidades de crescimento na carreira, salário e benefícios, cultura empresarial, por   compatibilidade/adaptabilidade com o trabalho (job fit), etc….

Enquanto as organizações continuarem a ignorar as necessidades, as motivações dos seus colaboradores, vão continuar a perder a oportunidade de se conseguirem manter sustentáveis, de conseguirem reter a bordo os mais talentosos e, como tal, reduzir os níveis de rotatividade para serem capazes de manter a produtividade, e os milhares de investimento “sempre a sair”…

Algumas dessas necessidades e atributos que as pessoas dão importância quando consideram procurar uma organização diferente, são: a capacidade de poderem fazer o que sabem fazer melhor; maior equilíbrio entre a vida pessoal e profissional e acima de tudo um melhor bem-estar pessoal; uma maior estabilidade e segurança no trabalho; um significativo aumento do pacote salarial; a oportunidade de trabalharem para uma organização com uma grande notoriedade/marca ou reputação, e com valores humanos bem vincados.

Mas a definição e o conceito de engagement varia de organização para organização, e normalmente cada uma define-o à sua maneira. Algumas inclinam-se mais para avaliar o estado da “felicidade” dos colaboradores (com um impacto limitado nos resultados de desempenho), outras têm o hábito comum de confundirem os seus surveys ou diagnósticos como estratégias de envolvimento dos colaboradores, entre outros exemplos.

Acima de tudo, trata-se de um compromisso emocional que os colaboradores têm com uma organização, com a sua visão e com os seus objetivos. Este compromisso significa que os colaboradores preocupam-se verdadeiramente com seu trabalho e com a organização. Não trabalham apenas em troca de um cheque no final do mês, ou à espera da próxima promoção pelo tempo de “quit and stay”. Trabalham, colaboram e envolvem-se em nome dos objetivos da organização.

É necessário abordar as estratégias de envolvimento e de comprometimento dos colaboradores como estratégias contínuas de desenvolvimento do capital humano, considerando todos os factores críticos que as impactam, influenciam e têm importância na gestão das pessoas e no desenvolvimento destas, e não apenas só nos “números”.

Relembro: as organizações não são humanas, mas são feitas de pessoas. Se queres “ganhar” os teus números, “ganha” em primeiro lugar as tuas pessoas, que depois eles aparecem…

Agile Foundation for Project Managers

 

PELA 1ª VEZ EM PORTUGAL

PORTO
30 de Junho e 1 de Julho de 2018

WINNING Scientific Management promove pela primeira vez em Portugal o curso de  Agile Foundation for Project Managers.

Curso  Agile Foundation for Project Managers no Porto. tem como objetivo,

  • Conhecer as principais características de abordagens ágeis
  • Conhecer algumas metodologias ágeis (e.g. SCRUM, XP)
  • Conhecer os benefícios de uma abordagem ágil em projetos
  • Conhecer em que situações uma abordagem ágil aumenta a probabilidade de sucesso dos projetos
  • Conhecer e aplicar as principais práticas ágeis

DESTINATÁRIOS

  • Gestores de Projeto e Membros de Equipas de Projetos
  • Diretores Funcionais e Executivos
  • Responsáveis por PMO, Áreas da Qualidade
  • Interessados em obter a certificação PMI-ACP

VALOR DE INSCRIÇÃO: 299€*

*Estão previstos descontos para grupos
*A WINNING é uma entidade certificada pela DGERT – Isenção de IVA nos produtos e serviços de formação (ao abrigo das isenções previstas no artigo 9º do CIVA)

 

Para efetuar o download do nosso catálogo de formação, visita a nossa página Formação

Contacto para mais informação e inscrições: 
formacao@winning.pt | +351 218 963 030

A WINNING, em parceria com a TECHNAL e com a Revista ANTEPROJECTOS, promovem uma conferência dedicada ao tema “A Gestão de Projetos aplicada à Arquitetura” no dia 17 de abril, nas instalações da Technal no Centro Empresarial Lionesa.

A temática que envolve a gestão de projetos não é um assunto novo. Em certos países, a atividade é utilizada desde o início da década de 1990. Porém, somente nos últimos anos é que as empresas portuguesas se deram conta da importância e, principalmente, da necessidade de uma gestão de projetos bem estruturada ao nível dos processos. Isto aconteceu, principalmente, pelo agravamento da crise económica que atravessámos e pelo aumento da competitividade do mercado. Quando se fala do ramo de Arquitetura, mais do que nunca, as boas práticas na gestão de projetos é determinante!

Os problemas comuns no sector, como atrasos, alterações de âmbito, inconsistência de informações, não cumprimento de prazos, falta de controlo nos processos e ausência de parâmetros bem definidos levam a um aumento considerável dos níveis de incerteza, indefinições e frustrações, tanto por parte dos profissionais envolvidos no protejo quando dos clientes (que muitas vezes é o estado!).

E é justamente nessas questões que a boa “Gestão de Projeto” atua!

Quer descobrir a importância da gestão de projetos aplicada à Arquitetura e como é capaz de criar processos melhores no seu Gabinete?

Assista à Palestra que será ministrada pelo Professor Leandro Pereira, Presidente do PMI Portugal (Project Management Institute).

Agenda:
15h00 – Receção dos Participantes e Abertura do Evento
15h15 – Soluções de Alumínio na Arquitetura, Paula Claro, Designer Industrial
16h00 – A Gestão de Projetos aplicada à Arquitetura, pelo Professor Leandro Pereira (Presidente do PMI Portugal)
16h45 – Cocktail  e Encerramento

Local:
TECHNAL C19A
Lionesa, 4465-671, Leça do Balio

A participação é gratuita, mas sujeita a inscrição prévia.
Confirme a sua participação através do email: mko@winning.pt 

ÚLTIMAS INSCRIÇÕES – PMF EXPRESS

ÚLTIMAS INSCRIÇÕES
LISBOA
1ª Edição – 27 e 28 de Março de 2018

WINNING Scientific Management promove o Curso Project Management Foundation – EXPRESS em LISBOA

Curso Project Management Foundation em Lisboa e Porto tem como objetivo, compreender a ciência da gestão de projeto e a sua importância para o sucesso das organizações e saber identificar os principais interessados (stakeholders) de um projeto e como os gerir.

DESTINATÁRIOS
– Gestores de Projeto e Membros de Equipas de Projetos
– Diretores Funcionais e Executivos
– Responsáveis por PMO, Áreas da Qualidade

VALOR DE INSCRIÇÃO: 299€*

*estão previstos descontos para grupos
*A WINNING é uma entidade certificada pela DGERT – Isenção de IVA nos produtos e serviços de formação (ao abrigo das isenções previstas no artigo 9º do CIVA)

Para efetuar o download do nosso catálogo de formação, visita a nossa página Formação

Contacto para mais informação e inscrições: 
formacao@winning.pt | +351 218 963 030

 

ÚLTIMAS INSCRIÇÕES
PORTO 
1ª Edição – 13, 14 e 15 de Março de 2018

WINNING Scientific Management promove o Curso Project Management Foundation em Lisboa e Porto

Curso Project Management Foundation em Lisboa e Porto tem como objetivo, compreender a ciência da gestão de projeto e a sua importância para o sucesso das organizações e saber identificar os principais interessados (stakeholders) de um projeto e como os gerir.

DESTINATÁRIOS
– Gestores de Projeto e Membros de Equipas de Projetos
– Diretores Funcionais e Executivos
– Responsáveis por PMO, Áreas da Qualidade

VALOR DE INSCRIÇÃO: 999€*

*estão previstos descontos para grupos
*A WINNING é uma entidade certificada pela DGERT – Isenção de IVA nos produtos e serviços de formação (ao abrigo das isenções previstas no artigo 9º do CIVA).

Contacto para mais informação e inscrições: formacao@winning.pt | +351 218 963 030

A publicação do Project Management Body of Knowledge (Guia PMBOK®) 6ª Edição pelo Project Management Institute (PMI®) ocorreu em setembro 2017 e os novos exames de certificação já são baseados na nova edição!

O que há de novo na sexta edição?
Esta é uma mudança grande! O Guia PMBOK® 6ª Edição propõe várias alterações. O guia evolui bastante em termos de conteúdo e consistência e há um maior alinhamento, não só com a norma ISO 21500, bem como, com outras normas ISO.

Faça o download do eBOOK WINNING e fique a par de todas as novidades da 6ª Edição!

O download fica disponível após efetuar o seu registo no website da WINNING.
Caso ainda não esteja registado procure a opção Entrar »» Registar no canto superior direito da página.

WORKSHOP | PMBOK 6ª Edição!

Enquanto  entidade formadora  e acreditada pelo PMI, a WINNING promove no dia 17 de março de 2018, no Porto, e no dia 14 de abril de 2018, em Lisboa, o WORKSHOP PMBoK® 6ª Edição – O que mudou?

Objetivos

  • Obter um entendimento profundo e integrado sobre as alterações à framework do PMBOK® Guide
  • Entender os principais drivers que levaram às alterações implementadas

Destinatários

  • Gestores de Projeto e Membros de Equipas de Projetos
  • Diretores Funcionais e Executivos
  • Responsáveis por PMO, Áreas da Qualidade

Valor de Inscrição

  • 159,00€*
    * estão previstos descontos para grupos.
    *A WINNING é uma entidade certificada pela DGERT – Isenção de IVA nos produtos e serviços de formação (ao abrigo das isenções previstas no artigo 9º do CIVA).

Ficha Técnica

  • Pode fazer o download do programa detalhado:

Contacto para mais informação e inscrições: info@winning.pt | +351 218 963 030

A rede de contactos é um valioso património!

Após um ano 2017 repleto de sucessos em que a WINNING alcançou o estatuto de PME Líder e PME Excelência, que ficou no TOP10 dos Heróis PME e que se posicionou em 9º lugar como “Empresa Gazela” num ranking promovido pela Revista EXAME a nível nacional, a Consultora especializada em Gestão Científica resolveu criar a Comunidade WINNING Alumni.

A WINNING dá grande importância às pessoas e ao seu talento! Neste sentido, pretendemos desenvolver uma relação ainda mais próxima com os mais de 7.000 profissionais que já contactaram com empresa ao longo dos seus cinco anos de existência (ex-formandos e ex-colaboradores) muitos deles a ocuparem hoje posições de destaque nas principais organizações do país. É assim desenvolvido um plano de comunicação específico para esta comunidade, com várias campanhas, ofertas e iniciativas, que culminará com a realização de um evento em breve para promover o networking entre todos!

Através do registo na Comunidade WINNING, os Alumni obtêm diversos benefícios exclusivos, tais como, ofertas para formação profissional e o acesso às oportunidades de trabalho e networking da WINNING. Serão disponibilizados Vales-Oferta da WINNING a todos os membros que estiverem integrados na nossa Comunidade WINNING Alumni.

Os vales poderão ser utilizados em serviços de formação profissional, cursos de preparação para certificações e workshops.

Para validar a sua inscrição como Alumni e poder usufruir deste benefício, deverá:

  1. Efetuar o seu registo no website da WINNING. No canto superior direito encontra a opção: Entrar » Registar-se
  2. Integrar o Grupo WINNING Alumni do LinkedIN.

Se tiver alguma dúvida quanto ao processo de Registo no Website ou adesão ao Grupo do LinkedIN, não hesite em contactar-nos: mko@winning.pt

Na Arquitetura as boas práticas na gestão de projetos são determinantes para o sucesso dos profissionais e das suas obras!

A temática que envolve a gestão de projetos não é um assunto novo. Em certos países, a atividade é utilizada desde o início da década de 1990. Porém, somente nos últimos anos é que as empresas portuguesas se deram conta da importância e, principalmente, da necessidade de uma gestão de projetos bem estruturada ao nível dos processos. Isto aconteceu, principalmente, pelo agravamento da crise económica que atravessámos e pelo aumento da competitividade do mercado.

Os problemas comuns no setor, como atrasos, alterações de âmbito, inconsistência de informações, não cumprimento de prazos, falta de controle nos processos e ausência de parâmetros bem definidos levam a um aumento considerável dos níveis de incerteza, indefinições e frustrações, tanto por parte dos profissionais envolvidos no projeto quanto dos

As boas práticas na gestão de projetos envolvem todo o ciclo de vida, contemplando a fase de iniciação, planeamento, execução, monitorização e controlo, até ao encerramento.

  • Tem a informação da gestão de projetos centralizada numa plataforma única?
  • Consegue planear e controlar a gestão dos seus recursos de forma eficaz?
  • Consegue antecipar e prevenir desvios nos seus projetos através de KPI’s/ indicadores?

Este tema interessa-lhe? Saiba mais aqui sobre a nossa solução de Project e Portfolio Manager para Arquitectos!


 

Curso Business Analysis & Requirements

O Curso de Business Analysis and Requirements tem como principal objetivo, compreender a ciência da análise de negócio e de requisitos, bem como a sua importância para o sucesso das organizações. Saber identificar as necessidades de negócio e os principais interessados (stakeholders), bem como saber traduzir de forma efetiva o problema do negócio para a solução são aprendizagens a reter.

As Inscrições já estão abertas e as VAGAS SÃO LIMITADAS!

 

WINNING Scientific Management promove o curso de preparação em Business Analysis & Requirements, nos dias  16 e 17 | 23 e 24 de Maio de 2018.
das 10h às 19h (16 e 23) e 9h às 18h (17 e 24).

DESTINATÁRIOS:
– Analista de Negócios e de Requisitos
– Gestores de Projeto e Membros de Equipas de Projetos
– Diretores Funcionais e Executivos
– Responsáveis por BAO e Áreas da Qualidade

VALOR DE INSCRIÇÃO
799,00€*
*Estão previstos descontos para grupos;
* A WINNING é uma entidade certificada pela DGERT – Isenção de IVA nos produtos e serviços de formação (ao abrigo das isenções previstas no artigo 9º do CIVA).

LOCAL

Winning Office

Palácio dos Ulmeiros

Alameda das Linhas de Torres n.º 152 Escritório 14 Piso 2

1750-149 Lisboa

 

Para efetuar o download do nosso catálogo de formação, visita a nossa página Formação

Contacto para mais informação e inscrições:
 formacao@winning.pt | +351 218 963 03

WINNING recruta Market Problem Solvers

A WINNING tem como missão atuar cientificamente nos clientes, ajustando o seu modelo de negócio de forma a criar vantagens competitivas permanentes. O modelo de atuação acontece enquanto “médicos de empresas”, não vendemos produtos ou serviços específicos, mas em cada cliente diagnosticamos o problema, isolamo-lo de forma objetiva, avaliamos os respetivos sintomas na tentativa do entendimento profundo das suas causas, e face a estas traçamos um plano de intervenção efetivo.

  • Porquê?
    Dado o crescimento acentuado procuramos reforçar a nossa equipa de Market Problem Solvers.
  • O quê?
    Responsabilidade por uma ou mais industrias; prospeção e ajuda no desenvolvimento de soluções adaptadas às necessidades dos clientes.
  • Para quem?
    Para quem tenha loucura suficiente para fazer a diferença; capacidade de comunicação e argumentação; gosto pela resolução de problemas; experiência de 1 a 3 anos em consultoria; experiência em área comercial ou similar de preferência em serviços de gestão (preferencial).
  • O que se oferece?
    Carreira; relação win-win; salário acima da média para objetivos acima da média.

Caso esta oportunidade seja do seu interesse, envie um email para recrutamento@winning.pt

  • Como?
    No assunto indique “Market Problem Solvers” e coloque em anexo a seguinte informação:
    1) CV
    2) Indicação de três possíveis dores da WINNING em formato Problem Solving
    3) Link com vídeo de apresentação e justificação de ser a pessoa certa para a posição (máximo de um minuto e não carece de qualquer tratamento)

Become WINNERS, Together!

TOP